Vício em Dipirona

Vício em Dipirona – Esta é a situação do toxicodependente

Você esta aqui neste artigo porque pesquisou sobre: Vício em Dipirona
Vamos começar então nosso artigo em nosso Blog Clínicas Carpe Vita.

Os tipos de vícios são incontáveis: é possível tornar-se dependente até mesmo de substâncias que em teoria o deixam bem.

Esta é a situação do toxicodependente, que requer vigilância e cuidado, tanto quanto qualquer outra pessoa que tenha problemas com outras drogas.

Neste post, você aprenderá mais sobre este tipo de dependência, descobrirá quais são suas principais razões e como buscar ajuda para evitar as graves conseqüências que a dependência de drogas pode trazer, incluindo a overdose.

Como começa o vício?

Tenho certeza que você já observou esta cena em algum momento: um conhecido, ou mesmo você, sente uma intensa dor de cabeça, vai ao armário dos medicamentos, que está em casa, e tira um analgésico.

No dia seguinte, se voltar a acontecer, você toma outro remédio.

Os indivíduos que têm uma predileção pelo vício ou que são vulneráveis devem estar cientes de que tal reação já é um começo para o vício.

Normalmente, os viciados buscam uma rota de fuga de seus inconvenientes. Nesta situação, o medicamento – ao qual esta pessoa tem fácil acesso – pode se tornar um inimigo para ele e sua família.

Você sabe como reconhecer os sinais de um viciado em drogas?
Desde medicamentos para dor de cabeça a anfetaminas e sedativos e muito mais, todos eles têm o potencial de causar dependência química. Veja aqui como detectar sinais de dependência química em seu filho.

Irritabilidade excessiva
As mudanças hormonais que ocorrem em toda a juventude levam à irritabilidade tanto em homens quanto em mulheres.

No entanto, se for seguido pelo uso de drogas, isso não é comum.

Eles se tornam muito mais agressivos, mesmo quando não têm a possibilidade de consumir a droga, porque entram em um estado de abstinência.

Eles tendem a ficar longe de suas famílias para que seu uso de drogas não seja questionado.

Uso de drogas
Em sua juventude, os adolescentes são propensos a experimentar tudo, como se fosse um teste para ver que coisas “baratas” são boas para eles.

O armário de medicamentos disponível em casa se torna uma fonte de consumo. Diazepam, xaropes e analgésicos tornam-se possibilidades de se drogar. Assegure-se de que os medicamentos não desapareçam de sua casa sem razão.

Irresponsibilidade
As drogas proporcionam um mundo ilusório de entretenimento monumental.

Os adolescentes trocam estudos, trabalho e outros compromissos para viver em divertimento.

Descarregar o desempenho dos estudantes e desistir das tarefas que eles costumavam desfrutar e não socializar com pessoas legais também são sinais de uso de drogas.

Compras excessivas
Procurando uma boa clínica? Clique aqui. Se você quiser conversar diretamente com um terapeuta sobre clínicas, clique aqui.

O filho ou filha gasta muito mais do que o normal e começa a aparecer com novos produtos em casa, outras roupas, assim como a visitar lugares mais caros.

Esteja atento para perceber se os itens começam a desaparecer de casa. O vício leva a uma escalada de roubo, tráfico e até mesmo à prostituição para manter o consumo.

Quais são os sinais do vício em drogas?

Após as mudanças de comportamento, ter a possibilidade de avaliar os sinais que mostram os adictos como:

Os imparáveis querem consumir a substância a todo instante para conservar a sensação obtida durante mais tempo ao longo do dia;
Perda de controle sobre o consumo, mesmo quando eles querem parar, não têm possibilidade de fazê-lo;
maior tolerância à substância pelo organismo, exigindo doses maiores para obter o impacto desejado;
o indivíduo começa a se sentir mal, a ter ansiedade, preocupação, taquicardia, suor, mudanças de temperatura, complexidade para respirar, tontura, cólicas intestinais, dores de estômago, etc., se não consumir a droga, devido ao estado de abstinência.

Você realmente conhece a seriedade da automedicação

Você realmente conhece a seriedade da automedicação?

Uma pesquisa desenvolvida pelo ICTQ (Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade) mostrou que 76,4% da população brasileira consome drogas por recomendação de amigos ou parentes. Desse total, 40% têm o hábito de autodiagnosticar por meio de pesquisas desenvolvidas na Internet.

Referente: Sinais de dependência química: aprenda a identificá-los!
Mesmo sendo comum entre os brasileiros, a automedicação é uma prática muito perigosa.

Os inconvenientes que têm a possibilidade de surgir são vários: alergias a certos elementos do medicamento, intoxicação por consumo excessivo, relação do medicamento com outro que pode causar sérios inconvenientes uma vez usado em conjunto, entre outros inconvenientes envolvidos com nosso vício.

Quais são os medicamentos mais perigosos?

Há várias categorias de medicamentos que têm o potencial de serem mais suscetíveis ao vício.

Os medicamentos que contêm acetaminofen, dipirona e ácido acetilsalicílico, por exemplo, têm o potencial de causar dependência devido ao seu uso recorrente, pois são facilmente tomados para dores de cabeça e dores nas costas.

Outro tipo de medicamento que deve ser acompanhado de perto por um médico são os tranquilizantes.

Os antidepressivos, ansiolíticos e outras drogas desta linha, que funcionam no sistema nervoso, têm o potencial de conter uma formulação que facilita o vício. Mesmo que seja necessária uma prescrição médica para comprá-los, muitas pessoas contornam o arquivo e obtêm autorização para ter acesso a eles.

Prescrever este tipo de medicamento é seguro uma vez que é acompanhado por um médico.

Isto deve acontecer porque, quando chegar a hora de parar de tomar o medicamento, o profissional irá gradualmente retirá-lo para que o corpo humano não o perca, o que não acontece com aqueles que consomem tais medicamentos sem orientação médica.

Como contribuir com um viciado em drogas?
Como já dissemos, um viciado em drogas precisa ser tratado como qualquer outro viciado em drogas. Portanto, após identificar o problema, é importante buscar a ajuda de um profissional.

Avaliar uma hospitalização viável
Se necessário, a pessoa poderá ser hospitalizada e passar por uma desintoxicação em uma clínica de recuperação qualificada que oferecerá toda a ajuda primordial para que o procedimento seja bem sucedido. Além disso, é importante contar com especialistas, como psiquiatras e psicólogos, para conseguir a terapia específica para cada caso.

Indicação: Como escolher uma clínica de recuperação para mulheres?
Dependendo do nível de uso e dependência de drogas, a hospitalização pode durar de 30 a 360 dias. Será um período difícil para o viciado, que enfrentará crises de abstinência com prováveis febres, vertigens, vômitos, tremores, alucinações, delírios, etc.

O acompanhamento constante e a ajuda do núcleo familiar são fundamentais durante todo o procedimento.

As clínicas de recuperação permitem e recomendam que parentes e amigos visitem o paciente para ajudá-lo a reconstruir sua afetividade, sentindo-se valorizado e fundamental para os indivíduos com os quais ele vive.

Após a alta, o adicto precisará de um acompanhamento multidisciplinar com Narcóticos Anônimos ou Alcoólicos Anônimos, psiquiatra, psicólogo e ajuda espiritual.

Além da pessoa viciosa, o núcleo familiar deve freqüentar um terapeuta para aprender a lidar com a nova situação e com a antiga pessoa dependente. É um trabalho complexo em favor de um novo começo de vida para todos os envolvidos.

É essencial saber distinguir o vício do uso de drogas, mas também devemos estar conscientes de que a automedicação é perigosa para qualquer pessoa, não apenas para aqueles que têm predileção pelo vício.

O dependente de drogas requer procedimento e seu vício merece ser levado a sério.

 

Lista de Assuntos em nosso Blog: Vício em Dipirona

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×

Olá!

Entre em contato conosco agora através do What's App!

×